São Paulo / SP - quarta-feira, 20 de outubro de 2021

Alimentação da Gestante

 

 

 

 

 

Como deve ser a alimentação da gestante?

 

Se há algo que a gestante pode fazer para ajudar a garantir a saúde do bebê é alimentar-se bem principalmente no que diz respeito à qualidade.

Para muitas mulheres o ganho de peso inerente à gestação é motivo de grande preocupação.  Muitas aderem a comportamentos alimentares muito restritivos, outras resolvem “liberar geral”. Os dois extremos podem acarretar sérios danos à nutrição da gestante o que pode causar danos não só à gravidez mas também  à saúde do bebê.

Guardadas as devidas características individuais uma mulher saudável necessita de cerca de 1500 a 2000 Kcal por dia para manter seu peso.  A gestação exige um aumento da ingesta calórica de cerca de 200 kcal no segundo trimestre e de 300 kcal no terceiro trimestre. Apesar de as necessidades calóricas não serem maiores no primeiro trimestre, este é o período mais importante para a formação do bebê quando carências de macro ou micronutrientes podem gerar danos irreverssíveis.

O ganho de peso considerado satisfatório durante a gestação depende do estado nutricional da mulher antes da gestação e isto pode ser avaliado a partir do IMC (índice de massa corpórea). O IMC é calculado como o valor do peso em quilogramas dividido pelo valor da altura em metros ao quadrado e expresso em kg/m2. A tabela abaixo mostra a classificação nutricional de adultos segundo o IMC e o ganho de peso total considerado normal durante a gestação.

 

Classificação

Pontos de Corte

Ganho de peso

Desnutrição

<18,50

12,5 a 18 kg

Magreza grave

<16,00

Magreza moderada

16,00 – 16,99

Magreza leve

17,00 – 18,49

Normal

18,50 – 24,99

11,5 a 16 kg

Sobrepeso

≥25,00

7,0 a 11,5 kg

Pré-obeso

25,00 – 29,99

Obesidade

≥30,00

7,0kg

Classe I

30,00 - 34-99

Classe II

35,00 – 39,99

Classe III

≥40,00

 

Dicas sobre Alimentação

 

- Alimentar-se adequadamente também reduz o desconforto digestivo e a ocorrência de náuseas e vômitos, evitando a perda de peso.

- Prefira alimentos leves, com menor quantidade de gorduras e frituras. As preparações assadas, cozidas ou grelhadas são as mais indicadas.

- Diminua o intervalo entre as refeições; alimente-se pelo menos a cada três horas (em horários regulares). Tenha sempre à mão uma barrinha de cerais ou uma fruta, ou ainda biscoitos cream cracker.

- Coma devagar, mastigando bem os alimentos.

- Consuma bastante líquido ao longo do dia, mas não durante as refeições.

- Aumente o consumo de leite e derivados; ingira no mínimo três xícaras de leite por dia. A indicação do consumo de cálcio é de 1200mg por dia. Para você ter uma idéia dessa medida, uma porção de 100g de queijo branco contém 685mg de cálcio; já 200ml de leite equivalem a 228mg, e 200ml de iogurte têm 240mg dessa substância.

- Reduza o consumo de sal (na preparação dos alimentos, em enlatados, salame, azeitona, queijo parmesão). Sal em exagero aumenta a retenção de líquidos no organismo, provocando inchaço e pressão alta.

- Consuma folhas cruas na forma de saladas temperadas com limão, que é fonte de vitamina C.

- Consuma, pelo menos uma vez ao dia, grãos de feijão, lentilha, grão de bico ou ervilhas (de preferência no almoço).

- Aumente a ingestão de fibras (cascas, bagaços, sementes de frutas e verduras cruas, frutas secas, cereais integrais).

- Não deite ou sente logo após as refeições.